Cirurgia plástica pelo SUS: saiba como funciona esse benefício

Postado em 17/11/2021



É possível conseguir tratamento gratuito pelo SUS para casos de deformidades, doenças e outros que afetam o corpo e o psicológico do indivíduo. Então, fique com a gente pra saber o passo a passo de como conseguir esse benefício gratuito.

Por muito tempo, a cirurgia plástica foi vista como algo fútil e até uma área de poucos méritos na medicina. Porém, isso está mudando, pois fica cada vez mais claro o quão poderosa pode ser a transformação na vida de uma pessoa que sofre com condições físicas que inviabilizam uma vida emocionalmente saudável.

Vivemos num mundo obcecado pela beleza, razão pela qual, a cada ano, o número de cirurgias plásticas não para de crescer, assim como a qualidade das técnicas oferecidas pela medicina.

Dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica mostram que mais de 1,5 milhão de procedimentos estéticos são feitos no Brasil todos os anos, tornando-nos campeões em cirurgias estéticas no mundo inteiro.

 

Isso faz do Brasil um grande celeiro para o mercado de cirurgia plástica. Se você deseja se tornar um profissional capacitado para atender a essa demanda, saiba mais sobre a Pós-Graduação São Camilo em Enfermagem em Pós-Operatório em Cirurgia Plástica.

 

A boa notícia é que o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece o procedimento de forma gratuita. Continue conosco para saber mais!

A cirurgia plástica oferece duas abordagens:

- Estética (busca melhorar a aparência)

- Reparadora (corrige deformações e defeitos de nascença ou adquiridos)

No Brasil, 60% das cirurgias realizadas são procedimentos estéticos, como aumento de mamas, lipoaspiração e abdominoplastia; enquanto que 40% têm finalidade reparadora, como a retirada de tumores cutâneos, cirurgia pós-obesidade e revisão de cicatrizes, segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

 

Que tipo de cirurgia plástica o SUS oferece?

O entendimento do SUS é que a cirurgia plástica é tão necessária quanto qualquer outra intervenção cirúrgica, pois tem a finalidade de aprimorar, recuperar e ajudar pessoas a viverem da forma mais normal e saudável possível.

É o que ocorre com pessoas que têm deformidades de nascença ou que sofreram algum trauma no decorrer da vida que alteraram seu desenvolvimento físico e psicológico.

São casos de pessoas que sofreram acidentes, que têm sequelas de um câncer ou que sofreram perda total ou parcial de alguma parte do corpo, circunstâncias estas que geram problemas sociais e emocionais, ainda que não afetem a pessoa do ponto de vista funcional.

Os critérios adotados pelo SUS para a realização de procedimentos cirúrgicos podem variar, pois não incluem apenas fatores físicos, mas psicológicos também.

 

Quais tipos de cirurgia plástica são cobertos pelo SUS?

- Cirurgia de fenda palatina: destinada a pessoas que têm esse problema genético que afeta o rosto na região da boca e do nariz.

- Lábio leporino: destinada a quem sofre com esse problema genético que afeta o rosto. A cirurgia reconstrói a área afetada, que pode atingir até dentes e gengiva.

- Otoplastia: trata-se da cirurgia de reparação de problemas nas orelhas que geram traumas de ordem psicológica.

- Gigantomastia: basicamente é a cirurgia de reparação das mamas, quando o tamanho ultrapassa os volumes convencionais.

- Ginecomastia: destinada a quem sofre com hipertrofia das mamas, com tamanho fora do parâmetro normal.

- Implante de silicone e reconstrução da mama: realizada em mulheres que retiraram o seio ou parte dele por conta do câncer.

- Abdominoplastia: geralmente necessária após a realização de gastroplastia. Consiste na remoção cirúrgica do excesso de pele abdominal.

- Cirurgia plástica reparadora para lipodistrofia do portador de HIV: portadores do vírus podem sofrer acúmulo ou redução de gordura pelo corpo em níveis anormais.

- Tratamentos de pele: geralmente são destinados a vítimas de queimaduras.

- Rinoplastia reparadora:  realizada em caso de traumas, deformidades e desvio de septo, por exemplo.

- Cirurgia de redesignação sexual: para homens e mulheres que não se identificam com o seu gênero biológico.

- Reparo de lesões causadas por violência doméstica: por conta dos dados alarmantes de violência contra mulheres, o SUS oferece cirurgias de reparação e reconstrução para as vítimas.

Essa é a lista de procedimentos mais comuns realizados pelo SUS, porém, o ideal é procurar o SUS do seu município e apresentar sua necessidade, assim é mais fácil ter uma noção realista sobre o tratamento ideal.

 

Como solicitar uma cirurgia plástica pelo SUS:

Em primeiro lugar, é necessário marcar uma consulta em um Posto de Saúde para que seu caso seja avaliado por um médico da unidade.

Caso sua necessidade gere um diagnóstico favorável a uma cirurgia, o segundo passo é procurar a Secretaria de Saúde da sua cidade para receber informações sobre os hospitais que realizam o procedimento, que pode não ser exatamente na sua cidade de residência, mas você pode escolher a realização da cirurgia numa cidade próxima.

O próximo passo é receber a visita de um assistente social, que vai avaliar suas condições financeiras para constatar se você realmente não pode arcar com os custos de uma cirurgia.

Em alguns casos, também é necessário passar por uma avaliação psicológica, em que um profissional especializado vai verificar se você tem condições psicológicas de enfrentar o procedimento e informar a respeito das ocorrências que podem surgir depois dele.

O último passo é esperar. Infelizmente, a fila de espera para a realização desses procedimentos no SUS costuma ser muito grande, embora eles não sejam tão divulgados.

É importante ter em mente, durante o processo de espera, que vale a pena aguardar pelo benefício gratuito, uma vez que ele poderá restabelecer sua qualidade de vida, fazendo você colher os benefícios de uma autoestima elevada.

 

Fontes: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e Ministério da Saúde.

 

Conheça as vantagens de se tornar um aluno da Pós-Graduação São Camilo em Enfermagem em Pós-Operatório em Cirurgia Plástica e conquistar esse mercado que não para de crescer!

Compartilhe essa notícia