Consumo de proteína animal: faz mal comer carne todos os dias?

Postado em 20/09/2021



A ingestão diária e em excesso de proteína animal pode estar relacionada ao aumento do risco de algumas doenças

O consumo de proteína animal é algo culturalmente estabelecido no Brasil e em diversos outros países ao redor do mundo. Apesar do recente debate sobre os benefícios de uma dieta baseada em proteína vegetal, ainda há muito o que avançar no diálogo com a população.

Uma pesquisa encomendada pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) demonstrou que a proteína animal, desde ovos até carne, está presente em 98% dos lares brasileiros. O ovo é o recordista, estando presente em 96% dos lares.

Contudo, segundo levantamento do Inteligência em Pesquisa e Consultoria (IPEC) — antigo Ibope Inteligência —, 46% dos brasileiros pararam de comer carne pelo menos uma vez na semana, por escolha própria, sem considerar o aumento elevado nos preços. Além disso, 32% das pessoas já escolheram uma opção vegana no cardápio de algum restaurante.

Com essas discussões, uma série de questões podem surgir, como: “É possível ter todos nutrientes com uma dieta baseada em proteína vegetal?”; ou, ainda: “Faz mal comer carne todos os dias?”.

Por isso, trouxemos 4 fatos sobre alimentação baseada em ingestão de proteína animal e em ingestão de proteína vegetal e suas implicações na saúde:

1. Faz mal comer carne vermelha todos os dias

De acordo com estudos, o consumo de carne bovina pode estar associado a um pequeno aumento no risco de doenças cardiovasculares e de mortalidade. Essa conclusão foi alcançada por um estudo publicado na JAMA Internal Medicine, em 2019. 

Então, de certa forma, o consumo diário e exagerado de carne vermelha e de processados pode fazer mal à saúde.

2. Consumir menos carne é benéfico para o colesterol

Segundo pesquisas, a retirada da carne da dieta pode reduzir os níveis sanguíneos de colesterol em cerca de 14%, como apontado em material da Sociedade Vegetariana Brasileira SVB). Além disso, retirando os ovos e os laticínios também, essa redução é de 35%, o que é similar ao uso de medicamentos para reduzir os níveis de colesterol.

 

Você também pode gostar de:

+ Fitoterapia: uma importante especialidade na área de Nutrição

+ Vitamina D: o que é, sua importância e quais os riscos da sua falta no organismo

 

3. O consumo de carne está associado ao aumento do risco de câncer

Evidências mostram que a adoção de uma dieta vegetariana reduz em cerca de 18% o risco de todos os tipos de câncer. Um estudo publicado pelo International Journal of Cancer concluiu que o consumo de carne vermelha pode aumentar o risco de câncer de mama invasivo, ao passo que o consumo de aves pode diminuir esse risco.

4. Consumir carne não é o único modo de obter vitamina B12

Muito se fala sobre a importância das carnes para a obtenção de nutrientes como ferro e vitamina B12, entre outros. Porém, com o acompanhamento correto de um nutricionista, é possível encontrar e balancear todos os nutrientes com uma dieta plant-based.

Numa dieta ovolactovegetariana, a vitamina B12 pode ser encontrada em leite, queijos e ovos, que são de origem animal. Esse é o único nutriente que talvez precise ser complementado por um vegetariano, mesmo com uma alimentação bem planejada. Os demais nutrientes são facilmente encontrados em alimentos que não são de origem animal.

Conheça nossos cursos na área de Nutrição.

Compartilhe essa notícia