Neuroplasticidade: o que é e qual a sua importância para a neuroeducação

Postado em 03/11/2020



Neuroplasticidade é um conceito importante para, entre outras especialidades, a neuroeducação. Por isso, hoje vamos abordar um pouco sobre o que é, como funciona e qual a importância da plasticidade neuronal, em conversa com a professora mestra Angélica Chico.

O que é neuroplasticidade (plasticidade neuronal)?

“A plasticidade neural refere-se à capacidade que o sistema nervoso central (SNC) possui em modificar algumas das suas propriedades morfológicas e funcionais em resposta às alterações do ambiente. Na presença de lesões, o SNC utiliza-se desta capacidade na tentativa de recuperar funções perdidas e/ou, principalmente, fortalecer funções similares relacionadas às originais”, segundo Dayane Caroline Sperandio no livro “Tópicos em neurociência clínica” (extraído da publicação disponível no site da Organização Ciências e Cognição).
 
Para entender melhor o conceito, o funcionamento e a importância da neuroplasticidade, conversamos com a professora mestra Angélica Chico, docente dos cursos de pós EAD em Educação da São Camilo. Confira:
 

Qual é o conceito de neuroplasticidade (plasticidade neuronal)?

Profa. Angélica Chico: A neuroplasticidade (plasticidade neuronal) [é a] capacidade do sistema nervoso de sofrer modificações e adaptações, formando níveis estruturais em contato com novas experiências.
 
A plasticidade permite que novas ligações entre os neurônios (as sinapses) sejam realizadas.
 
e-book gratuito

Como o sistema nervoso funciona? Como se dá a neuroplasticidade?

Profa. Angélica Chico: O sistema nervoso detecta estímulos internos e externos; é responsável por captar, processar e gerar respostas diante dos estímulos a que o indivíduo é submetido. A neuroplasticidade permite a regeneração dos neurônios e que sejam criadas conexões sinápticas, ou seja, controla todas as nossas funções cognitivas, tais como atenção, memória, linguagem e percepção, entre outras. A neuroplasticidade ocorre sobretudo na infância, fase em que as crianças adquirem novos conhecimentos, mas pode ocorrer na fase adulta, à medida que o indivíduo se adapte a suas necessidades; é um processo natural.
 

Qual é a importância da neuroplasticidade para a área da Neuroeducação?

Profa. Angélica Chico: A neuroplasticidade permite aos educadores a compreensão do funcionamento cerebral e a avaliação das funções cognitivas. Caso estas estejam prejudicadas ou deficientes, ocorrem as dificuldades. Ela desempenha uma função importante nas dificuldades de aprendizagem, possibilitando a aplicação de estratégias pedagógicas, interativas, estimulantes e significativas, ampliando, assim, as possibilidades de aprendizagem.
 

Por que a especialização em Neuroeducação é importante?

Profa. Angélica Chico: A especialização em Neuroeducação capacita o profissional, ampliando sua percepção sobre o processo do aprender e sobre a avaliação do funcionamento das funções cognitivas, responsáveis pela aprendizagem, instrumentalizando-o quanto a adaptações, intervenções e elaboração de atividades que proporcionem o desenvolvimento dessas funções, possibilitando uma relação positiva com a aprendizagem. A atuação envolve a área educacional ou a estimulação cognitiva de crianças, adolescentes, adultos ou idosos.
 
Confira o nosso Sãocamilocast sobre Neurociência aplicada à educação:
 
Um bate-papo muito legal com o Prof. Kleber Ramos, Eng., PMP, CDAP, SMAC, CAPM e a convidada especial, Profa. Ma. Angélica do Carmo da Silva Chico, sobre: “Neurociência aplicada à educação - o que é e quais os campos?”. Um podcast com foco em neurociência cognitiva: os processos de aprendizagem, como ela acontece, informações para repensar a prática, atividades que estimulam essas funções, desde a educação infantil até o público idoso, além de recomendações para os profissionais que querem se aprofundar nessa área para construir um planejamento individualizado, ampliar a percepção do processo de aprendizagem e muito mais!
 
----
Sobre a professora mestra Angélica do Carmo da Silva Chico
Mestra em Ensino e História das Ciências e Matemática pela Universidade Federal do ABC (2017). Pedagoga (1997) e Psicopedagoga Clínica e Institucional. Atualmente é orientadora educacional e professora no Colégio Stagio; professora conteudista e tutora EaD do Centro Universitário São Camilo; tutora presencial EaD da Universidade Presbiteriana Mackenzie; professora da Universidade Municipal de São Caetano do Sul nas modalidades EaD e presencial; professora conteudista e EaD da Universidade Estácio de Sá; docente na pós-graduação do Instituto Metodista de Ensino Superior nas modalidades EaD e Presencial; e psicopedagoga clínica no consultório Psicoeudaimonia. 
 

Compartilhe essa notícia