Assessoria Executiva a distância e seus desafios

Postado em 28/10/2020



A assessoria executiva é o ramo da gestão que tem como principal responsabilidade assessorar gestores e profissionais na criação, manutenção e melhoria dos processos administrativos da empresa. Mas, e quando as atividades só podem ser realizadas a distância? Quais são os desafios que surgem? Confira a entrevista exclusiva com a Profa. Katia Cristina de Souza e descubra.
 
Os constantes surgimentos das inovações tecnológicas, muito importantes para o sucesso da gestão, e também a incontrolabilidade das mudanças sociais demandam profissionais mais resilientes e preparados para enfrentar qualquer situação, até mesmo a atuação no esquema a distância. 
 
Segundo estudo elaborado pela Fundação Instituto de Administração (FIA), o home office foi adotado por 46% das empresas durante esse período de pandemia, e diversos desafios apareceram para os profissionais de todas as áreas, inclusive a área de Assessoria Executiva e Secretariado.
 
Assim, conversamos com a professora mestra Katia Cristina de Souza, docente do curso a distância de Pós MBA em Assessoria Executiva da São Camilo, para entender mais sobre os desafios da assessoria executiva a distância. Confira:
 

Como é o dia a dia de uma assessoria executiva em tempos normais?

O ato de assessorar é uma dedicação diária aos gestores e sua equipe. Somos a interface, a comunicação (tanto interna como externa) da organização; fazemos a cogestão, temos uma visão micro e macroambiente para facilitar o fluxo de informações, processos e demandas que nos é atribuído diariamente. Uma das responsabilidades é a gestão de reuniões, agendas, documentação, viagens, pessoas e eventos corporativos, a fim de que tudo ocorra com excelência. Por isso, é um cargo de total confiança e necessário para o bom andamento de qualquer organização, independentemente do seu porte e segmento.
 
Qual é o impacto do coronavírus no trabalho da assessoria executiva?
Com a pandemia, as atribuições e demandas passaram por uma ressignificação, principalmente no que se refere ao relacionamento humano. O envolvimento com todos os pares se tornou virtual na maioria das empresas. Tivemos que nos adaptar a essa realidade e desenvolver novas skills para atender a uma nova demanda de trabalho, como o aumento de reuniões online impactando diretamente a gestão da agenda da equipe e dos executivos. Contudo, também houve a ausência de demanda, no caso de gestão de viagens e eventos corporativos presenciais, além de novas atribuições que se fizeram necessárias a esse profissional, dependendo do porte e da atividade da organização em que trabalha, para ajudá-la nesse período de pandemia.
 
Você também pode gostar:
 

Quais os desafios que a pandemia trouxe para a assessoria executiva?

Com certeza, a tecnologia, utilizando, aprendendo e desenvolvendo novas ferramentas para facilitar a comunicação e o engajamento de sua equipe no dia a dia e, principalmente, nas relações humanas, tentando ser assertivos em nossas comunicações por e-mail, WhatsApp ou sistemas internos de mensagem. Ponderando para ser compreendido e ser objetivo sem ser rude; porque, no ato de falar pessoalmente, conseguimos analisar a mensagem por meio da comunicação não verbal; já por telefone, pela entonação da voz, não abrindo precedentes para uma dupla interpretação da mensagem escrita, o que ocasiona muitos ruídos e afeta a produtividade e o desenvolvimento da pessoa em questão. 
 

Nesse novo contexto ocasionado pela pandemia, quais características um assessor deve ter para enfrentar esses desafios?

Resiliência, visão sistêmica do cenário mundial e, consequentemente, dos impactos no seu segmento e na sua organização. Ser flexível e produtivo, saber se comunicar e receber feedback, respeitar seu tempo de descanso para não afetar sua saúde física e mental.
 

Qual é o papel ou a importância da pós-graduação para a formação do Assessor Executivo?

Ela agrega tudo que o profissional que assessora um ou mais executivos precisa ter para desenvolver com excelência seu trabalho e, principalmente, ter um posicionamento estratégico dentro de uma organização. Aconselho a todos fazerem uma pós-graduação, mesmo quem tenha a graduação em Secretariado Executivo ou quem apenas desenvolve a função e é formado em outra área. Você terá contato, nesses meses de pós, com disciplinas de estratégia que vão do marketing ao empreendedorismo, compreendendo o comportamento organizacional e as responsabilidades sociais, além de finanças, eventos e Direito. Portanto, você não será apenas um executor, e sim um planejador de suas rotinas, demandas e com um conhecimento macro para ser o próprio gestor de sua profissão.
 
 

professora katia

Sobre a Profa. Katia Cristina de Souza
Mestra em Administração na área de gestão de organizações com ênfase em marketing. MBA em Gestão de Pessoas, Liderança e Coaching. Especialista e m assessoria executiva. Graduada em Secretariado Executivo Bilíngue. Gestora administrativa financeira, secretária executiva, empresária, palestrante e professora universitária nas disciplinas de Gestão, Administração, Empreendedorismo, Gestão de Pessoas, Gestão de Eventos e Assessoria Executiva.
 
 
 
 
mba em assessoria
 
 

Compartilhe essa notícia